Fibrose Pulmonar Idiopática em profissionais da Odontologia: um alerta

Compartilhe:

Profissionais da Odontologia podem enfrentar um risco maior de desenvolver Fibrose Pulmonar Idiopática (FPI). Uma doença crônica e progressiva dos pulmões de causa desconhecida com um tempo de sobrevida médio de 3 a 5 anos após o diagnóstico, de acordo com o Centers for Disease Control and Prevention (CDC), órgão de controle americano.

Entre 2000 e 2015, um centro especializado localizado no estado de Virginia tratou 894 pacientes com FPI, incluindo 8 dentistas e 1 técnico dental. Três desses pacientes eram ex-fumantes, um nunca havia fumado, e o histórico de tabagismo era desconhecido dos outros. Além disso, sete já haviam falecido.

Um dos pacientes sobreviventes relataram polir aparelhos dentais e preparar amálgamas e materiais de moldagem sem proteção respiratória. Estas tarefas envolviam sílica, polivinil siloxano, alginato e outros compostos com conhecida toxicidade respiratória.

Este é a primeira amostra de Fibrose Pulmonar Idiopática descrita ocorrendo entre profissionais de Odontologia, o CDC relata. Dentistas compõem 0,038% da população dos Estados Unidos, mas representaram 0,893% dos pacientes submetidos ao tratamento de FPI neste centro. Um aumento de 23 vezes.

Enquanto o CDC observa não existir etiologia clara para a existência desse grupo com FPI , a exposição ocupacional possivelmente contribuiu para tal. O grupo também reforça a necessidade de entender a associação entre tais exposições e o risco de desenvolver FPI para elaborar melhores estratégias de prevenção.

“O relato de Virgínia é para um grupo muito pequeno de casos de FPI. Mais trabalho tem que ser feito antes que possamos tirar qualquer conclusão sobre o risco que o dentista ou outro profissional da Odontologia tem em relação a FPI”, diz Randall Nett, mestre em saúde pública, principal autor do estudo, médico diretor do serviço do serviço de saude pública dos Estados Unidos, National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH).

“Dentistas e outros profissionais auxiliares tem exposições peculiares no trabalho. Estas exposições incluem incluem bactérias, vírus, poeiras, gases, radiação e outros riscos respiratórios. No momento nós não sabemos o que ocasionou esse conjunto de casos de FPI em pessoal odontológico. No entanto, é possível que exposições no trabalho tenham contribuído para isso”, explica Nett.

“A equipe odontológica que é exposta a conhecidos riscos respiratórios deveria usar proteção respiratória certificada se outros controles, como aumento da ventilação, não são praticados ou efetivos”, segundo Nett.

Fonte: Odontologia Nossa de Cada Dia. Disponível em: http://odontologianossadecadadia.com/fibrose-pulmonar-idiopatica-na-odontologia/. Acesso em: 11/01/2019.