Entenda os riscos de ter um ar condicionado split em seu consultório

Compartilhe:

Você acredita que um exaustor o deixa livre de qualquer problema relacionado ao ar condicionado? Não é bem assim, confira agora como evitar os perigos que esse eletrodoméstico pode trazer para a sua clínica.

Quando realizei o projeto do meu consultório, nunca havia pesquisado sobre a questão do ar condicionado nas normativas da Avisa, então acabei optando pelo modelo Split por conta da comodidade. Quase todas as salas de atendimento possuíam esse modelo e sempre achei que estivesse tudo certo. Até que descobri alguns pontos que preciso dividir com vocês:

Por que não é possível utilizar o ar condicionado split (sozinho)?

Porque ele não faz a RENOVAÇÃO do ar.

Imagine: aquele ambiente contaminado que é o nosso consultório odontológico, fechado, com vários riscos de contaminação no ar (que é constantemente resfriado e mantido na sala). Ao multiplicarmos isso pela quantidade de pacientes atendidos durante um dia, podemos ter ideia do grande risco que o ambiente proporciona para nossa saúde. Ainda mais quando atrelado a doenças respiratórias comuns (asma, rinite, sinusite), má instalação (drenos e altura inadequada) e falta de limpeza e manutenção.

Aparelho favorece o surgimento de fungos e bactérias

Fatores que promovem o acúmulo de sujeira, somados ao processo de refrigeração que promove a condensação da água – que acaba acumulando no interior do ar condicionado – favorecem o surgimento de muitos fungos e bactérias.

Como não possuo domínio sobre esse assunto, decidi conversar com o Emanuel Calvo, engenheiro mecânico formado pela FEI e mestre em engenharia de produção.

O que aprendi?

O ar condicionado split é composto por duas partes: a parte interna (evaporadora) e a parte externa (condensadora). Na parte externa, o gás responsável pela refrigeração é comprimido, aquecido e é resfriado na serpentina até alcançar a temperatura ambiente. Só então é enviado para a unidade interna (o aparelho de ar que vemos dentro sala), onde é expandido, resfriando a serpentina interna, que por sua vez resfria o ar quente do ambiente que está passando por ali e retorna frio.
Agora imagine um ar condicionado ligado incessantemente, filtrando a poeira, acumulando bactérias e fungos, sendo exposto a aerossóis e vapores criados durante os procedimentos e a todos os tipos de contaminações que existem na cavidade bucal, e os profissionais respirando esse ar contaminado o dia todo?

Higienização periódica e uso do exaustor garantem o bom funcionamento do aparelho

Segundo o Engenheiro Emanuel Calvo, a Anvisa preconiza no Artigo 5º da Portaria número 3.523, publicada em 28 de agosto de 1998: o sistema de climatização deve ser higienizado periodicamente com produtos biodegradáveis, os filtros devem ser limpos ou substituídos, e os critérios para fazer a renovação mínima de ar por pessoa por hora e da classe mínima do filtro devem ser seguidos. Igualmente importante é a renovação de ar por meio de exaustor, na vazão mínima.

Quais as alternativas aceitáveis para a ventilação da sala de atendimento?

As janelas são obrigatórias em consultórios odontológicos. Caso queira, o proprietário do estabelecimento pode contar com ar condicionado, desde que o aparelho tenha como dispositivo de funcionamento a retirada do calor interno para transferência externa, garantindo a renovação do ar. Aparelhos com circulação exclusivamente interna, por exemplo, não são permitidos. Do mesmo modo, ventiladores e circuladores de ar são proibidos dentro do consultório, exceto na sala de espera.

O que deve ser feito para quem está montando um consultório ou clínica?

Consulte o engenheiro responsável, ele vai fazer o cálculo de metragem e da vazão de ar mínima necessária sobre o calor a ser retirado da sala por hora, levando em conta a quantidade de pessoas, o foco de luz e os equipamentos, pois tudo isso gera calor. Esse investimento é feito apenas uma vez e deve fazer parte do projeto do consultório. Depois, a limpeza do filtro deve ser realizada a cada 15 dias, enquanto a manutenção com empresa especializada deve acontecer a cada 6 meses, no mínimo.

Já possuo clínica ou consultório montado, como proceder?

Consulte um engenheiro mecânico para avaliar e adequar seu consultório de acordo com a metragem, a vazão de ar e outros fatores.

Dicas da Dra. Giuliana:

– Sempre usar EPI! Estamos falando de um lugar em que há acúmulo de bactérias e fungos. Após lavar o filtro de ar, quando ele estiver seco, podemos imergi-lo no ácido peracético durante 10 minutos, sempre em cuba de imersão tampada. Em seguida, deve-se lavá-lo novamente, secá-lo e recolocá-lo em seu devido lugar.
– Nunca coloque aromatizantes na saída de ar ou nos filtros, pois um dos indicadores de que há necessidade de manutenção no aparelho é o mau odor, que pode ser camuflado por esses aromatizantes.
– A partir do momento em que o ar condicionado estiver instalado adequadamente, você deve fazer a manutenção dele periodicamente. Sempre deixe registrado por escrito as datas de limpeza e manutenção. Acima de 60.000 BTU/h é obrigatório ter o PMOC (Plano de Manutenção, Operação e Controle), documento assinado por um engenheiro confirmando a periodicidade de manutenções e as inspeções feitas.

Em resumo, é correto afirmar que o ar condicionado não faz mal desde que não seja usado em excesso e esteja nas condições ideais de limpeza, instalação e manutenção. Escutamos que o aparelho retira a umidade do ar e que isso pode ressecar as vias aéreas. Mas, quando o aparelho está em más condições, as implicações para a saúde podem ser bem maiores.

Por outro lado, quando o aparelho opera de acordo com as normas, consegue reter parte das impurezas – o que torna o ambiente muito mais fresco e agradável –, tem uma vida útil muito maior e não sobrecarrega seu funcionamento, fazendo com que a economia de energia seja considerável.

Em relação à temperatura, segundo a Anvisa o ideal é que ela fique entre 21 e 24°C. Temperaturas muito altas ou baixas, além de não conservarem adequadamente os materiais existentes em nosso ambiente de trabalho, fazem o rendimento cair.

Fazer a instalação, a limpeza e a manutenção adequadas dos aparelhos de ar tipo split é indispensável em um bom consultório odontológico, e isso só trará benefícios para você e seus pacientes.

A regra é clara: ficar atento ao simples e essencial para viver com mais qualidade!

Fonte: Blog Dental Cremer. Disponível em: http://blog.dentalcremer.com.br/os-riscos-de-ter-um-ar-condicionado-split-em-seu-consultorio/. Acesso em: 02/07/2018.