Desmaio na Cadeira do Dentista

Compartilhe:

Certamente você já deve ter ouvido falar de alguém que tenha passado mal durante o atendimento odontológico. Existem pacientes que quase perdem a consciência durante a consulta e outros que chegam até a desmaiar. A questão é: por que isso acontece?

Segue um resumo das principais causas que podem levar a um desmaio:

LIPOTÍMIA

É um mal estar passageiro, geralmente associado a uma sensação de angustia e eminente desfalecimento. A pessoa fica pálida, começa a suar, pode relatar zumbidos nos ouvidos e visão turva, mas ainda não ocorre a perda total da consciência.

Causas:

• Diminuição de oxigênio no cérebro por medo ou ansiedade;
• Origem cardiovascular;
• Hipoglicemia (falta de açúcar no sangue);
• Uso de medicamentos ansiolíticos / antidepressivos.

O que o dentista tem que fazer:

Acalmar o paciente, conversar para mantê-lo consciente, afrouxar roupas, colocar em posição supina (barriga para cima) com as pernas ligeiramente elevadas. Em caso de não haver recuperação em até 4 minutos, administra O2 (5L/min) em respiração espontânea.

SÍNCOPE

É a perda repentina de consciência, ou seja, o desmaio em si.

Causas:

• Diminuição do fluxo sanguíneo e diminuição de oxigênio no cérebro;
• Causas neurológicas / metabólicas;
• Má perfusão cerebral;
• Fatores emocionais (medo e ansiedade);
• Fatores não emocionais (fome, exaustão, debilidade física);
• Queda do débito cardíaco que leva à hipotensão (pressão baixa), hipóxia (falta de oxigênio) e à hipotonia muscular (redução da força – moleza).

O que o dentista tem que fazer:

Valem as mesmas recomendações dos casos de lipotímia, além de verificar nível de consciência, confirmar respiração e administrar oxigênio (5L/min). Confirmar hipotensão, colocar o paciente em posição de recuperação, observar evolução e liberar o paciente com acompanhante. Se o paciente não estiver respirando fazer o protocolo Suporte Básico à Vida.

HIPOGLICEMIA AGUDA

É a redução da taxa de glicose circulante, ou seja, repentina falta de açúcar no sangue. A pessoa pode ficar irritada, pálida, com confusão mental. Não há náusea e não há vômito.

Causas:

• Excesso de insulina;
• Supressão da alimentação (Jejum);
• Exercícios físicos prolongados.

O que o dentista deve fazer:

Oferecer algo doce ao paciente. Uma dica: 15 gramas de carboidrato ou meia lata de refrigerante, caso os sintomas persistam oferecer mais 15 gramas (a outra metade da latinha de refrigerante). Dispensar o paciente com acompanhante depois de 30 minutos.

HIPERGLICEMIA

Os sintomas são os mesmos da Hipoglicemia.

Causas:

• Excesso de açúcar no sangue.

O que o dentista deve fazer:

Se o paciente é diabético isso já ficou claro na anamnese. O protocolo é a aplicação de insulina 50U. ATENÇÃO: na dúvida entre hipoglicemia e hiperglicemia, é melhor considerar como hipoglicemia (porque glicose demais faz menos mal do que de menos).

HIPOTENSÃO ORTOSTÁTICA

É a queda brusca da pressão arterial quando a pessoa assume a posição vertical. Essa é uma situação relativamente comum, pois muitos pacientes querem levantar logo da cadeira depois que o procedimento é concluído (principalmente após extrações dentárias). Basta sentar novamente e aguardar a recuperação.

Muita gente associa o fato de passar mal no dentista com a anestesia, concluindo que o líquido anestésico, em si, é capaz de causar os efeitos descritos anteriormente. Não que não possa ocorrer uma reação alérgica, é raro, mas pode acontecer. Na maioria das vezes o problema não é o aspecto farmacológico da anestesia, mas a reação psicológica do paciente ao fato de estar sendo anestesiado, ou seja, medo da agulha e ansiedade. Portanto, a dica é procurar manter-se calmo e confiar no seu dentista.

Fonte: Medo de Dentista. Disponível em: http://medodedentista.com.br/2013/04/desmaio-na-cadeira-do-dentista.html. Acesso em: 05/09/2016.