Dentista, já parou para contar quantos anos você tem de odontologia?

Compartilhe:

A resposta à pergunta do título deste texto pode ser devolvida com outra questão: – Contando com a faculdade? Minha resposta: esses anos como estudante de odontologia você já teve, assim como seu tempo de formado até hoje. É uma resposta simples, mas de gigantesca reflexão.

Dentista, quantos anos você pretende trabalhar? Quantos anos você ainda tem de odontologia pela frente?

No coaching, assim como num processo de planejamento de carreira, o foco está no futuro. O passado serve como aprendizado e deve ser usado para avaliar seu desempenho atual na profissão, em outras áreas de sua vida e nas expectativas que você tem no futuro de sua carreira. Com isso, aplicar o pensamento estratégico em odontologia e na gestão de seu negócio é fundamental. Nesta época de final de ano, alguns pontos visando o melhor desempenho pessoal e profissional provocam mudanças simbólicas. Sejam elas específicas, mensuráveis (que você possa alcançar), mas importantes para sua carreira e que tenham uma data definida para concluir.

01 – Procure pensar em como foi o ano, tanto nas suas contas pessoais como na gestão de custos do consultório. Abandone o pensamento mensal e nas contas baseadas em 160 horas comerciais por mês.
02 – Calcule quanto você ganhou em média por hora trabalhada e descubra quais os serviços rentáveis, aqueles que bancam sua hora e quais são os predatórios em seu consultório odontológico. Isso é a segmentação de receitas. Direcione seu negócio para os melhores e se possível abandone os “segmentos predatórios”.
03 – Invista e contrate um serviço de contabilidade que te ajude de forma precisa no controle trabalhista de sua equipe (custo – RH) e principalmente no seu planejamento tributário. É fundamental do valor cobrado saber qual o percentual de custo com impostos. Pense em relação ao seu faturamento anual. O que podem representar X% de redução de custos com impostos ajustados ao seu modelo de negócio?

Cuidado com o cartão de crédito para vendas

04 – Cuidado com as taxas de operadoras de cartão de crédito para vendas, principalmente parceladas. É fundamental saber os custos em percentual para se vender com cartão. Evite antecipar vendas parceladas. Uma antecipação pode caracterizar falta de capital de giro e isso pode estar sangrando suas contas e seus resultados. Faz sentido perder X%(?) da venda por antecipar parcelas?
Dentista executor de procedimentos?
05 – Caso você seja dono do negócio e atue como executor de procedimentos remunere-se por este trabalho de presença física assim como você remunera seus parceiros. Estabeleça um pagamento para você pelos serviços que realizou e marque um dia fixo do mês. Evite retiradas aleatórias e separe contas pessoais do seu consultório.

Atenção para os convênios, organização e administração do consultório

06 – Cuidado com convênios odontológicos, dentista. Na maioria das vezes eles não cobrem seus custos, o que de certa forma transforma seu cliente particular em sócio de seu negócio. Converter vendas particulares a partir de horas dedicadas a convênios é um pensamento errado e pode estar dando uma falsa impressão de bom faturamento. O faturamento é muito diferente de desempenho financeiro. Compare de forma estimada as horas e o faturamento de segmentos de seus convênios. Calcule o que em média se ganha por hora com cada um. Reduza o tempo dedicado a serviços que não cobrem seus custos, permita-se direcionar para outras ações mais produtivas.
07 – Faça da pontualidade uma regra em seu negócio. A organização do tempo é um excelente recurso para uma prestação de serviço com qualidade. É uma forma de respeitar também o tempo de seu paciente, que é a razão do seu negócio existir.
08 – Reserve um tempo para conhecer, entender e decidir sobre uma melhor administração de seu consultório. A gestão de custos deve ser planejada anualmente. Compare seus custos com sua tabela, seus preços e suas expectativas de vendas.
09 – Entenda a primeira consulta como uma oportunidade de fechar uma venda. É a oportunidade de seu paciente conhecer você e, principalmente, o escolher. Lembre-se que depois da venda restará a execução, mas um importante quesito já foi definido. Não ofereça simplesmente um serviço, ofereça uma poderosa experiência.
10 – Não tenha empregados, tenha pessoas comprometidas com seu negócio. Para isso, a remuneração variável, além do pacote básico de contratação é um recurso fantástico para engajamento da equipe. Se o dono ganha, todos devem colher os frutos.

Pense mais em você


11 – Reserve uma parte do que ganha para seu futuro, sua independência financeira, ou seja, o dia que o trabalho deverá ser uma opção e não mais uma obrigação. Quanto mais cedo começar menor será seu esforço neste sentido. De forma métrica e ousada reserve 30% do que você ganha para bancar esse período.
12 – Muito cuidado com parcerias baseadas em percentual. Já conheci casos que se paga 60% de produção para um dentista. Isso não existe! Precisa ser revisto para pagamentos fixos por procedimentos. Pagamento fixo por serviço é uma tendência facilitadora de controle bilateral de produção em parcerias entre dentistas executores e os donos das clínicas.
13 – Procure o equilíbrio em sua roda da vida. Seu tempo também é para família, amigos, diversão, autodesenvolvimento, saúde física, mental e por aí vai. A tecnologia que nos ajuda e dá certa liberdade, também pode roubar minutos preciosos.

Pensar nos anos que já rolaram em sua carreira, na experiência que você tem é muito importante. Mas esses anos já se foram e certamente trazem muitas reflexões para te fazer um profissional cada vez melhor.

Você já pensou quais os recados que a vida e seu modelo de negócio estão te enviando para ser um dentista cada vez melhor e poder escolher seu melhor caminho? Pense nisso em 2019, 20, 21, 22…

Fonte: Blog Dental Cremer. Disponível em: http://blog.dentalcremer.com.br/dentista-ja-parou-pra-contar-quantos-anos-voce-tem-de-odontologia/. Acesso em 10/01/2019.