Como o boca a boca pode aumentar o número de agendamentos no consultório odontológico

Compartilhe:

Estou lendo um livro muito interessante sobre influência social e boca a boca e vou dividir com vocês alguns ensinamentos que aprendi. Para quem se interessar, o livro é “Contágio: Por que as coisas pegam”, de Jonah Berger. Fica a dica!

Todos sabem que as pessoas adoram compartilhar histórias, notícias e informações com aqueles que estão ao seu redor. Pesquisas apontam que compartilhamos mais de 16 mil palavras por dia e, a cada hora, acontecem mais de cem milhões de conversas sobre marcas. Esse comportamento tem enorme influência sobre as compras, sendo assim, o boca a boca é fator primário por trás de 20% a 50% de todas as decisões de compra.

Se você trabalha com serviços de saúde, basta olhar sua agenda hoje para encontrar quase 70% dos agendamentos provenientes de indicações boca a boca. E muitas vezes deve pensar que para conseguir isso precisa apenas realizar seu trabalho com perfeição, não é mesmo? Não, não é.

Para a surpresa de muitos, o boca a boca pode ser construído de várias formas e a viralidade não nasce, mas sim é produzida. Os comentários sobre sua clínica podem ser projetados para serem mais virais e interessantes e, para entender isso, você não precisa entender mais sobre Odontologia, você precisa entender mais sobre pessoas.

Elas podem fazer um boca a boca mais eficiente de sua clínica se se sentirem mais espertas, ricas ou descoladas ao citarem algo que envolva sua clínica, seus tratamentos ou até mesmo você. Isto ocorre porque todos nós precisamos encontrar notabilidade interior e fazer com que as pessoas se sintam por dentro do que se passa, ou seja, se desejamos um boca a boca eficiente, precisamos alavancar um jogo para dar às pessoas formas de alcançar status visíveis que possam mostrar aos outros. A isto chamamos de “moeda social”: saber de coisas bacanas, faz as pessoas serem percebidas como antenadas.

Além disso, outra informação relevante é que as pessoas gostam de falar de si mesmas: mais de 40% do que falam é sobre experiências e relacionamentos pessoais. Elas são programadas para acharem isso prazeroso, o que pode ser uma boa forma de alavancar seu negócio. Imagine a seguinte experiência: um paciente passa por exames em sua clínica e, no momento de fazer a proposição do tratamento, você entrega um estudo estético do perfil de sorriso dele, associando-o a determinadas pessoas conhecidas ou celebridades, pode ser apenas uma curiosidade naquele momento e poderia não fazer falta nenhuma a sua proposta de trabalho, mas você lançou a semente e esse paciente desejará compartilhar aquela informação sobre si e quem estará embarcando neste comentário será a sua marca.

Pense sobre esses fatores! Na próxima coluna vou falar de outros itens que podem impulsionar o boca a boca.

Cláudio Gonçalves
Criador de um modelo específico de consultoria em marketing de serviços e comunicação para profissionais da saúde, atua junto as áreas da Medicina e Odontologia desde 1994. Sócio-fundador do Altera – Centro de Inteligência em Serviços e responsável pelas áreas de marketing estratégico e comunicação.

Fonte: Implant News Protese News. Disponível em: http://www.inpn.com.br/Materia/OdontologiaNegocios/131998. Acesso em: 17/07/2019.