Botox agora é usado no tratamento de bruxismo

Compartilhe:

O bruxismo nem sempre é fácil de identificar. Às vezes depende da observação de outra pessoa ou do surgimento de fortes sintomas, como dores de cabeça frequentes. Caracterizado pelo ranger dos dentes diurno ou noturno, é uma disfunção temporomandibular relatada por até 90% da população em algum período da vida. A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que essas disfunções acometam até 30% da população. No Brasil, a estimativa é de que 30 milhões de pessoas sofram de bruxismo. Uma das formas de controle dessa disfunção utiliza uma substância conhecida pela maioria da população pelos fins estéticos: a toxina botulínica ou botox.

Produzido por bactérias, o botox pode agir no relaxamento de músculos da face que trabalham para a ocorrência do bruxismo. Utilizada há mais de 20 anos na medicina, a toxina foi incorporada há pelo menos metade desse tempo na odontologia, no Brasil. “Quando ela entra no tecido humano, ela diminui ou paralisa a ação muscular daquela localização”, explica a cirurgiã dentista e membro da Sociedade Brasileira de Toxina Botulínica e Implantes Faciais na Odontologia (SBTI) Roberta Verçosa.

Isso acontece porque a toxina age na sinapse, fazendo o bloqueio da neurotransmissora acetilcolina, que, por sua vez, é responsável por realizar a contração do músculo. No caso do bruxismo, isso arrefece o ranger de dentes e evita as consequências da disfunção, como dor no ouvido, de cabeça, nos músculos da mandíbula, perda de esmalte dental e até o amolecimento dos dentes, em casos mais graves.

As outras principais aplicações do botox na odontologia são nos casos de sorriso gengival, quando aparece grande parte da gengiva ao sorrir; para casos de disfunção nos músculos da mastigação, e quando o paciente tem sialorreia, a produção ou acúmulo excessivo de saliva, comum em pessoas com doenças do sistema nervoso central. Nesta última situação, o botox é utilizado para bloquear glândulas salivares.

A aplicação é feita na parte externa da boca e a quantidade de substância e localização exata dos pontos dependerá do tipo de problema que está sendo controlado. São utilizadas agulhas e seringas idênticas às de insulina. A aplicação dura em média 10 minutos e é indolor. Os resultados começam a aparecer dentro de 48 horas posteriores à sessão, e os efeitos duram em média de 4 a 6 meses, a depender do metabolismo de cada pessoa. Os valores podem variar de R$ 500 a R$ 1,6 mil.

“É importante salientar que a toxina tem aplicação muscular e o cirurgião-dentista tem pleno conhecimento da cinética muscular da face, o que favorece o resultado positivo quando procurado”, detalhou o coordenador da Comissão de Novos Materiais e Tecnologia do CROSP, Caio Rezende. O uso da substância é normatizado por resolução do Conselho Federal de Odontologia, de 2014, e pela lei federal 5081 / 66.

Nem todas as pessoas podem se submeter ao método. Por ausência de estudos, há contraindicação para grávidas e lactantes. Há também para intolerantes a lactose e pessoas com alergia a albumina (ovo), embora haja substâncias sem os componentes alergênicos.

O tratamento

Como é feita a aplicação da toxina botulínica para fins odontológicos:
- A aplicação é feita com uma agulha e uma seringa de insulina, diretamente na face.
- A toxina é injetada nos músculos. A quantidade e qual músculo dependerão do tipo e da intensidade do problema que está sendo controlado.
- As moléculas da toxina ligam-se aos receptores e quanto maior a concentração e o volume da toxina injetados, maior será a difusão, aumentando a área de efeito.
- A atuação da toxina se dá por meio da desativação de proteínas responsáveis pela ligação da membrana de uma vesícula a uma terminação nervosa.
- Isso impede a contração muscular, ocorrendo o relaxamento do músculo.
- Esse relaxamento começa a ser observado em 48 horas após as aplicações e aumenta até o 14º dia.
- O efeito dura em torno de 4 a 6 meses, a depender do metabolismo de cada paciente.
- As aplicações custam entre R$ 500 e R$ 1,6 mil.

Principais usos do botox na odontologia:

Bruxismo

É o ranger ou aperto dos dentes que pode ocorrer durante o dia ou à noite, durante o sono. Ele pode deixar os dentes doloridos e trazer ainda problemas como dor de cabeça, no pescoço e na face. Não há uma causa definida, mas algumas situações de estresse e efeitos colaterais de medicamentos podem ser associadas.

Sialorreia

É o acúmulo de saliva na boca e pode ocorrer quando a boca permanece muito tempo aberta, casos de pessoas com doenças do sistema nervoso central, por dificuldades de deglutição, obstrução das vias aéreas superiores ou excesso de produção de saliva.

Sorriso gengival

É a situação caracterizada por um sorriso em que aparece parte da gengiva. O problema pode ser causado por uma hiperfunção do músculo que levanta o lábio superior, fatores genéticos, medicamentos ou questões anatômicas do crescimento alongado da face.

Fonte: CROSP – Conselho Regional de Odontologia de São Paulo. Disponível em: http://www.impresso.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/cadernos/vida-urbana/2016/07/03/interna_vidaurbana,148691/botox-agora-e-usado-no-tratamento-do-bruxismo.shtml. Acesso em 05/07/2016.